Profissionais de Educação participam de reunião de Colegiado

Secretários municipais de Educação estiveram reunidos, no dia 29 de março, na primeira reunião do Colegiado, da Associação dos Municípios do Entre Rios (Amerios). De Cunha Porã esteve presente a gestora da Pasta Marise Schmidt; a secretária-adjunta Eliane Becker e a coordenadora pedagógica Carmen Biesdorf. Na oportunidade foi tratado sobre a Plataforma Conviva; o Plano de Cargo e Remuneração (PCR); e o Plano Municipal de Educação.

Com relação a Plataforma Conviva, as explanações foram feitas por Cleci Lorenzon, que é avaliadora Educacional junto ao Ministério da Educação (MEC) e Undime/SC, e orientou os secretários quanto a funcionalidade do programa, que é um ambiente virtual gratuito idealizado para apoiar a gestão das secretarias municipais de Educação de todo o país, especialmente neste início de gestão dos novos prefeitos.

O Conviva Educação oferece recursos multimídia destinados a auxiliar os dirigentes municipais de educação e respectivas equipes na realização de atividades. O ambiente virtual é alimentado periodicamente com informações coletadas diretamente de fontes oficiais. É o caso de temas como demanda e calendário escolares, gestão orçamentária, alimentação, transporte e suprimentos, entre outros, em que o MEC cumpre papel essencial na elaboração das informações.

Na sequência foi a vez de Simone Pedersetti, também avaliadora Educacional junto ao MEC/Undime, falar sobre o andamento dos Planos Municipais da Educação (PME). Documento este que os gestores municipais de Educação juntamente com suas equipes, já estão estudando e elaborando desde o exercício de 2015. O PME é um documento que estabelece metas para os próximos dez anos, e que define metas e possibilita o planejamento de políticas de médio e longo prazo.

Durante o encontro também foi tratado sobre a elaboração do Plano de Cargo e Remuneração (PCR), que será criado por lei, regulamentando um conjunto de normas que regem a carreira dos profissionais de uma determinada categoria. O PCR deve ter como pressuposto a valorização que se expressa, entre outros fatores, em uma remuneração condigna, desenvolvimento de processos formativos e condições dignas de trabalho. Também foram debatidas ações desenvolvidas em cada município na área de Educação.

 

Fonte: Amerios.